Ética

Captura de ecrã 2017-09-11, às 16.39.23

Findo o período de férias, setembro é um mês de começos e recomeços, de regressos: ao trabalho, à escola, à vida quotidiana. O que para uns é um dado adquirido, para outros é uma incógnita, incerteza e muitas vezes uma angústia.

Todos os anos existe a “dança de cadeiras” com professores por colocar, falta de auxiliares de ação educativa, profissionais atulhados em burocracias, crianças sem saber o horário certo, pais preocupados sem saber onde e a quem recorrer. No meio de todo o burburinho, as maiores dificuldades recaem inevitavelmente sobre as crianças com Necessidades Educativas Especiais porque os apoios, que deviam ter início no primeiro dia de aulas, começam duas ou três semanas depois, porque os professores sentem-se pouco preparados, porque as escolas além de parcos recursos humanos nem sempre têm os recursos físicos adequados, porque os técnicos do CRI (Centro de Recursos para a Inclusão) iniciam funções mais tarde, porque, porque, porque…enfim, parece haver sempre uma justificação e nem o facto destes problemas serem relatados ano após ano faz com que as coisas se alterem, pelo menos com a rapidez desejável.

Todos sabemos que os direitos à educação e ao ensino estão consagrados, respetivamente, nos artigos 73 e 74 da Constituição da República Portuguesa, para que tal aconteça na sua plenitude e para todos os cidadãos, existirão princípios éticos a respeitar que por sua vez estão intricados nos valores morais. Segundo Cortella (2010), “a ética é o conjunto de princípios e valores que orientam a minha conduta em sociedade, a moral é a prática desses valores no quotidiano”. Estes princípios e valores vão-se desenvolvendo em todas as experiências que as crianças têm ao longo do desenvolvimento, primeiro na família, depois na escola e comunidade.

Desta forma, acredito que se as crianças de hoje forem educadas e preparadas para uma escola inclusiva, quando forem os legisladores, professores, cidadãos ativos no futuro, não permitirão que a injustiça que ainda hoje observamos no arranque dos anos letivos se perpetue.

Cortella, M.S. (2010). Educação, Convivência e Ética: Audácia de Esperança! Cortez Editora

 

Anúncios

Os comentários estão encerrados.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: